MDR repassa R$ 21,5 milhões para apoiar o Amapá no enfrentamento ao apagão

Imagem meramente ilustrativa. Foto - Marcus Paulo/Wikipédia

Recursos serão utilizados para a locação de geradores e aquisição de combustíveis para geradores, aeronaves e veículos

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), por meio da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, vai repassar R$ 21,5 milhões para apoiar o Amapá no enfrentamento ao apagão que atinge o estado após incêndio em uma subestação de energia na capital Macapá, causada por uma tempestade de raios. As portarias (2.829 e 2.828) que liberam o recurso foram publicadas nesta terça-feira, dia 10 de novembro, em edição extra do Diário Oficial da União (DOU).

Os recursos serão utilizados para locação de mais de 60 geradores e aquisição de combustível que alimentará esses equipamentos - e outros já de posse do estado - por um período de 45 dias. Os geradores atenderão hospitais públicos, Unidades Básicas de Saúde (UBS), postos de saúde, laboratórios, centro de hematologia e hemoterapia, presídios e outras atividades públicas essenciais, como o sistema de abastecimento de água tratada da Companhia de Água e Esgoto do Amapá.

O repasse também será destinado à compra de combustível para as aeronaves que farão o transporte rápido de insumos médicos e darão apoio logístico no estado e para viaturas do Corpo de Bombeiros e ambulâncias, além de outros veículos que estão atuando no atendimento à população.

Na última semana, o ministro Rogério Marinho determinou a ida ao Amapá do secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Lucas, para prestar apoio ao governo estadual e aos municípios afetados. Marinho também manteve contato com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, oferecendo apoio da Defesa Civil para as medidas de restabelecimento da energia.

A contratação de geradores de energia de forma emergencial e a solicitação de apoio federal foram algumas das medidas estabelecidas pelo comitê de crise. Outras ações previstas estão a logística de distribuição de água potável, a aquisição de combustível para alimentação de geradores de energia contratados e a aquisição de hipoclorito para distribuição à população.

Publicar um comentário

0 Comentários