Últimas

6/recent/ticker-posts

Indicador inédito da Serasa Experian mostra que 51,0% das dívidas das empresas são pagas em até 60 dias


Complementando as análises já existentes na companhia, novo índice possibilita a visão completa da jornada de crédito no país

A Serasa Experian lança o Indicador de Recuperação de Crédito, que exibe o percentual de dívidas pagas pelas empresas em após 60 dias à negativação. Junto aos demais materiais econômicos já divulgados pela companhia, agora é possível observar a jornada de crédito de maneira integral, com a procura pelo recurso financeiro, os números de negativação e a sua eventual recuperação.

O indicador de abril de 2021, que traz informações sobre as dívidas que foram ressarcidas em até 60 dias a partir deste mês de referência, mostra recuperação de 51,0%, principalmente fora do setor financeiro. No total, 51,9% dos valores reavidos foram fora dos bancos, cartões e financeiras, com destaque principalmente para Utilities (63,8%). Este é o maior percentual de dívidas quitadas (das que estavam em atraso e, por isso, negativadas) da série histórica e o único segmento que apresentou alta na comparação com os dados de abril de 2020. Na sequência estão as Securitizadoras (52,6%) e os Bancos e Cartões (52,0%), sendo que este registrou a maior queda na comparação anual - 11,6 pontos percentuais.


O economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, comenta que a melhora dos índices de recuperação de dívidas em abril reflete o bom desempenho da economia brasileira durante o primeiro trimestre deste ano. Contudo, o aumento da inflação, a crise hídrica e as turbulências políticas podem afetar negativamente os índices de recuperação de dívidas ao longo dos próximos meses.

O novo indicador destaca ainda a idade das dívidas e revela um padrão, pois as mais recentes tendem a ser mais recuperadas, enquanto aquelas com mais tempo de existência têm o percentual de quitação mais baixo. Considerando compromissos que estavam vencidos há 30 dias, 64,4% foram recuperados; de 30 a 60 dias, 44,6%; de 60 a 90 dias, 31,4%; de 90 a 180 dias, 23,7%; entre 180 dias e o primeiro ano, 26,4% e 15,7% entre um e mais anos. Rabi explica alguns motivos que podem explicar esse movimento: “com o passar do tempo, tanto as multas e os encargos financeiros vão encarecendo o valor das dívidas, quanto a situação financeira das empresas com dificuldades pode se agravar ainda mais, o que torna mais difícil a recuperação das dívidas mais antigas".

Apesar das dificuldades, empresas pagaram mais dívidas em 2020

A pandemia de Covid-19 e os desafios econômicos impostos no período fizeram com que, na média de 2020, 45,7% dos registros de negativação fossem recuperados num horizonte de 60 dias após a comunicação do credor. O indicador sinaliza ainda quais os valores que são quitados com mais facilidade: em 2020, aqueles acima de R$ 10 mil tiveram recuperação de 55,9%, enquanto o intervalo de R$ 1.000 a R$ 2.000 teve retorno de 45,8% das contas.


Rabi conta que “apesar do impacto adverso da pandemia nos negócios, as medidas fiscais e monetárias anti-crise adotadas pelo governo conseguiram, de certa forma, aliviar a situação financeira das empresas no ano passado, evitando um agravamento da inadimplência e favorecendo uma performance acima do esperado na recuperação das dívidas”. Os dados de 2020 trazem ainda a visão por região. O Sul foi a que mais conseguiu recuperar valores (49,4%), seguido pelo Nordeste (48,5%), Centro-Oeste (47,2%), Norte (45,6%) e Sudeste (42,9%).

Enviar um comentário

0 Comentários