Últimas

6/recent/ticker-posts

Lu, do Magalu, se torna a primeira influenciadora virtual brasileira em uma capa de revista


Capa da Vogue de fevereiro traz Lu e modelos reais vestindo criações assinadas pelos estilistas da Nordestesse. 
Empresa terá venda exclusiva de 18 marcas nordestinas com objetivo de promover negócios de pequeno porte do mundo da moda

Esta semana, a Lu, do Magalu, maior influenciadora virtual do Brasil, é a capa digital da Vogue, uma das principais publicações de moda que circulam no país. É a primeira vez que uma influenciadora 3D brasileira estampa uma capa de revista. A matéria de capa fala sobre a parceria do Magalu com a Nordestesse, associação que reúne 18 marcas nordestinas, donas de uma produção autoral e artesanal, cujo portfólio estará à venda do SuperApp da companhia.

O Nordestesse é um hub criativo, idealizado pela jornalista baiana Daniela Falcão, que seleciona e promove o trabalho de empreendedores e criativos dos nove estados do Nordeste. O objetivo é abrir portas e disseminar o design autoral e as expressões artísticas populares que resgatam a identidade ancestral da região, valorizando tradições, crenças e costumes.

“A presença inédita da Lu na capa da Vogue, vestindo peças que fazem parte do Nordestesse, nos ajuda a construir mensagens importantes, como a valorização da produção regional e a consolidação da personagem como ícone fashion”, diz Pedro Alvim, gerente sênior de Redes Sociais do Magalu.

A entrada dos novos produtos no Magalu reforçam sua principal estratégia, a de digitalizar os pequenos negócios brasileiros. “Dentro da vertical de moda, uma de nossas frentes de atuação é a de atração de novos sellers para a plataforma. A Nordestesse tem a intenção de trazer novos varejistas do setor, e de todo o país, para que vendam na nossa plataforma”, afirma Silvia Machado, diretora executiva de moda e beleza do Magalu.

“Essa parceria está completamente em linha com a missão do Magalu, que é levar acesso. Estamos digitalizando o varejo brasileiro e a vertical de moda é das que faz isso de maneira mais inclusiva e democrática. A quase totalidade dos pequenos varejistas de moda é analógica e temos a oportunidade de ajudá-los a entrar no mundo do e-commerce”, finaliza.

Enviar um comentário

0 Comentários