Últimas

6/recent/ticker-posts

Circular Arte traz a diversidade da criação contemporânea do Paraná

Obra do artista Gustavo Caboco. Foto - Divulgação

Apresentada pelo Museu Oscar Niemeyer e com curadoria de Marc Pottier, mostra Paranauê abre dia 30 de julho em São Paulo

Em sua 6ª edição, o projeto Circular Arte na Praça Adolpho Bloch terá sua abertura no sábado, dia 30 de julho, a partir das 11h, com a exposição Paranauê, nascida a partir da Mostra Afinidades, em exibição no MON - Museu Oscar Niemeyer de Curitiba.

Idealizado e realizado pela Farah Service, o evento se consolidou como uma opção de entretenimento cultural de qualidade ao ar livre gratuita e já se expandiu para outras praças da cidade . Cada edição tem um tema diferente inspirado no meio ambiente.

Paranauê valoriza a diversidade artística encontrada hoje no Paraná. Artistas paranaenses - ou com forte ligação com o Estado - foram convidados a fazer uma imersão no acervo do Museu Oscar Niemeyer. A partir daí surgiram afinidades entre obras, artistas e curadores.

"Esta edição criou um link com outra instituição, o MON, e estamos aproveitando o espaço público para mostrar aos paulistanos o que está acontecendo no Paraná e também a diversidade cultural que encontramos no Brasil. São 12 artistas supertalentosos em uma exposição um pouco pol&iacute ;tica e bem conceitual", conta o curador Marc Pottier.

Nesse trabalho que envolveu muitas mãos, o acervo extrapolou os limites físicos, ganhou novas interpretações e formas. Artistas e curadoria utilizaram seus próprios repertórios e visão de mundo na tradução de sensações e sentimentos provocados pelas obras. Hoje, a aventura é um pouco diferente e os artistas convidados a dialogar com os jardins da praça Adolpho Bloch, deram uma versão diferente de suas obras, proporcionando um momento de reunião pós-pandemia entre eles e o público.

O título Paranauê, uma expressão de origem tupi, hoje relacionada com a prática da capoeira. Na língua tupi, paraná significa “semelhante ao mar” e auê é uma espécie de saudação. Ou seja, a expressão pode ser atribuída à pessoa que domina a arte da capoeira, como se reproduzisse os movimentos do mar.

A exposição celebra a diversidade e a agilidade da criação paranaense. No mar das possibilidades, artistas escolheram linhas de pensamento bem distintas, mas ligadas aos grandes temas filosóficos da atualidade como: meio ambiente, disparidade econômica, cultura indígena, entre outros.

Estão presentes em Paranauê alguns dos artistas do projeto Afinidades, mas também novos rostos, de diversas vertentes, tais como designers, arquitetos, ceramistas e representantes de comunidades indígenas, mostrando a riqueza e a diversidade do Estado Paranaense - um recorte das artes contemporâneas mais dinâmicas do Brasil.

Ficha técnica
Exposição Paranauê
Curadoria - Marc Pottier
Artistas Convidado -: Alberth Murta & Aline Volpato, Cleverson Salvaro, Daniela Busarello, Eliane Prolik, Gustavo Caboco, Gustavo Utrabo, Juliana Stein, Marcelo Stefanovicz, Ricardo Machado, Tom Lisboa, Toni Cesar Graton e Washington Silveira
Obras Permanentes - Douglas White, Hugo França, Janaina Mello Landini, Lucas Dupin e Verena Smit
Patrocínio - Sabesp e Emae
Apoio - Cidade de São Paulo
Realização - Farah Service

Serviço
Exposição Paranauê
Período - de julho 2022 a janeiro 2023
Abertura - sábado, dia 30 de julho
Horário - das 11h às 17h
Local - Museu Oscar Niemeyer
Endereço - Av. Brasil, s/n (ao lado da Paróquia Nossa Senhora do Brasil) - Jardim Paulista - São Paulo

Enviar um comentário

0 Comentários